Foram hoje divulgados os resultados da primeira fase do Concurso Nacional de Acesso (CNA). Os resultados demonstram a existência de um crescimento de 8,4% no número de estudantes colocados no ensino superior politécnico, confirmando a tendência de crescimento que se tem vindo a observar nos últimos quatro anos.

Sublinha-se ainda o aumento no número de estudantes que escolheram em primeira opção cursos ministrados nos politécnicos, com um crescimento de 16%. Outro aspeto positivo a retirar da análise aos dados diz respeito ao crescimento de 20% no número de colocados em politécnicos localizados em territórios de baixa densidade, evidenciando a importância e o papel que estes politécnicos têm no desenvolvimento destes territórios.

Na primeira fase do CNA, ingressaram nas instituições politécnicas 17 266 estudantes, o que se traduz num acréscimo de 1344 candidatos colocados comparativamente com mesma fase no ano anterior. Confirma-se, assim, a tendência de aumento da taxa de colocação de estudantes na primeira fase do concurso, a qual passa de 71%, em 2016, para 77%, em 2017. Já numa análise global, constata-se, comparativamente com o ano anterior, que, em 2017, entraram no ensino superior público (universitário e politécnico) mais 1956 estudantes (612 no universitário e 1344 no politécnico), o que se traduz num crescimento de 4,6%.

Além da primeira fase do CNA, o número de estudantes colocados em licenciatura pela primeira vez irá crescer por via das segunda e terceira fases do CNA. Ingressarão ainda no ensino superior os estudantes provenientes dos regimes e concursos especiais, bem como os estudantes internacionais.

Com base nos resultados apurados, será expectável que se verifique um crescimento no número de estudantes inscritos no ensino superior neste ano letivo, se se tiver em consideração que os números hoje apresentados revelam que o número de estudantes colocados no ensino superior cresce pelo quarto ano consecutivo. Este fator é particularmente relevante para atingir a meta assumida pelo nosso país de 40% de jovens com formação superior em idades compreendidas entre os 30 e os 34 anos.

 

Confira os resultados na página oficial da Direção-Geral do Ensino Superior (DGES).

Aceda ao Comunicado do CCISP